BRAZIL NIL NEWS

Ícone

News from Brazil

Bancos vão à Justiça pra evitar perdas com poupança


Março 6, 2009 by Nilnews

Depois de a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) ter tentado, sem sucesso, um posicionamento do governo federal para auxiliá-la a barrar a avalanche de ações de milhões de correntistas brasileiros que cobram dos bancos os expurgos dos Planos econômicos Verão, Collor I e II, outra entidade do setor, a Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif) protocolou ontem uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para evitar que os bancos paguem a diferença nas perdas no rendimento de cadernetas de poupança causadas pelos planos econômicos adotados no passado.

A ação de Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) da Consif visa confirmar a constitucionalidade dos planos e, portanto, a ilegalidade da restituição das perdas nessas aplicações. A ADPF é um instrumento usado para a proteção de direitos e garantias fundamentais previstos na Constituição contra atos abusivos do Poder Público e é usado também em casos de relevante controvérsia constitucional.

A Consif alega, na ADPF, que os planos econômicos foram uma iniciativa legítima do Estado de mudar políticas monetárias e mudar indexadores, buscando o combate da inflação. As regras definidas pelos planos tinham o objetivo de combater elevados índices de correção monetária que faziam repercutir, no presente e no futuro, inflações passadas, sem causar prejuízo ou favorecimento a qualquer segmento da sociedade, informa a entidade na ação.

Segundo a Consif, os novos indexadores foram determinados em leis, as quais os bancos também são obrigados a cumprir. Assim como o rendimento das poupanças foi alterado, a correção dos contratos de financiamento imobiliário foi reduzida por causa dos planos. Considerando-se tais fatos, não houve afronta aos princípios do direito adquirido e do ato jurídico perfeito, como se tem alegado nos pedidos judiciais de diferenciais de correção das cadernetas, complementou a entidade.

De acordo com cálculos da entidade, 550 mil ações, que tramitam na Justiça em todo o País, reivindicam o pagamento da diferença dos rendimentos.

A entidade informou que, caso os bancos sejam condenados a ressarcir todos os clientes, terão de processar o Estado para também serem ressarcidos dos possíveis prejuízos causados pelas mudanças nos planos econômicos.

Segundo dados já divulgados pela Febraban, o montante que está em jogo é de mais de R$ 100 bilhões, mas procurada pelo DCI, a entidade preferiu não se manifestar sobre a ação no STF.

Sarney é dono de 15 praias no Maranhão

Março 5, 2009 by Nilnews

Raposa: uma das pequenas praias das Fronhas Maranhenses

Ocupando pela terceira vez a presidência do senado, o novo chefe da casa, José Sarney (PMDB-AP), está na mira do presidente do PT do Maranhão, o deputado federal Domingos Dutra.

A briga não é por cargos, mas sim porque o parlamentar colocou a boca no trombone para denunciar que a família Sarney é dona de 38% do município de Raposo.

Os Sarney, segundo Dutra, fecharam o acesso a 15 praias do município. _ A cidade é linda, as praias são maravilhosas, mas o turismo está prejudicado porque os visitantes não podem ir às praias _ denuncia Dutra, que, na última sexta-feira, fez uma indicação ao ministro do Turismo, Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho, sugerindo a inclusão de Raposa e da Ilha de Curupu em um plano de desenvolvimento turístico completo.

Por considerar que a área é patrimônio da União, Dutra defende que é legalmente possível e economicamente necessária a construção de um plano turístico de aproveitamento integral dos recursos naturais existentes em ilhas como a Ilha de Curupu.

_ Neste sentido, esta indicação tem objetivo de sensibilizar o poder público e todas as suas esferas federativas, visando a construção de alternativas de desenvolvimento sustentável, a partir do uso racional e sustentável dos recursos naturais existentes no município da Raposa, incluindo principalmente as praias situadas na Ilha de Curupu, em número de 15, em especial as mais próximas da sede municipal sem prejuízo dos direitos patrimoniais do senador José Sarney.

Liana Melo/BlogVerde

TIM Festival e Prêmio TIM são cancelados

Março 5, 2009 by Nilnews

A TIM confirmou hoje ue vai abandonar dois eventos que tinham sua marca registrada, o TIM Festival e o Prêmio TIM de Música.

Em comunicado a companhia confirmou que está em negociações com a Dueto para descontinuar o TIM Festival e já confirmou o fim do Prêmio TIM de Música, que teve seis edições. “Os recursos até então destinados ao projeto serão utilizados em outras alternativas de comunicação para a marca da empresa”, diz o comunicado.

O presidente da operadora, Luca Luciani, apresentou na última sexta-feira (27/03) uma nova estratégia para a companhia, que vem enfrentando uma má fase desde o ano passado, quando perdeu a segunda posição no mercado de celulares para a Claro.

A operadora está realizando uma reestruturação e pretende deixar de lado todos os projetos relacionados à música. A única iniciativa a ser mantida é o patrocínio ao Auditório do Ibirapuera, em São Paulo, com investimento anual estimado em R$ 25 milhões.

O Tim Festival foi criado em 2003, como sucessor do extinto Free Jazz. Em 2008, a maratona sofreu com a sobra de ingressos e o cancelamento de duas de suas principais atrações: Paul Weller, que divulgou a impossibilidade de vir ao Brasil poucos dias antes do show (ele foi substituído pela cantora Roberta Sá), e The Gossip, que sequer ganhou um substituto.

Daniela Moreira/Info

Marcelo D2 é condenado por apologia as drogas

Março 5, 2009 by Nilnews

Por unanimidade, a Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou recurso do cantor Marcelo Maldonado Peixoto – conhecido como Marcelo D2 – contra acórdão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ). Assim, fica mantida a sentença que condenou o cantor ao pagamento de 20 salários mínimos pelo descumprimento dos deveres inerentes ao pátrio poder, por ter exposto seu filho menor de idade à apologia ao uso de drogas durante o festival hip hop Manifesta, realizado em 2004.

Marcelo D2 foi condenado pela Justiça da Infância e da Juventude por proferir expressões relacionadas ao consumo de drogas (“bagulho” e “queimando tudo até a última ponta”) logo após seu filho ter deixado o palco do espetáculo musical. Marcelo D2 recorreu ao TJRJ, mas sua apelação foi rejeitada por ausência de recolhimento das custas processuais.

No especial interposto no STJ, a defesa alegou que tal recurso estaria isento da incidência de custas. Argumentou, ainda, que as expressões supostamente relacionadas ao consumo de drogas fazem parte da criatividade artística e, no momento em que elas foram ditas, o filho do cantor já estava nos camarins da casa de espetáculo, não presenciando os fatos que pretensamente representariam desrespeito ao poder familiar.

Morre Barrosinho da Banda Black Rio

Março 5, 2009 by Nilnews

Morreu hoje o fenomenal trompetista (e compositor, arranjador) Barrosinho. Integrante da Banda Black Rio, da qual foi um dos fundadores, ao lado dos também já mortos Oberdan Magalhães (saxofone), Cláudio Stevenson (guitarra) e Luiz Carlos Santos (bateria).

Ele se foi nesta madrugada, aos 65 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos. José Carlos Barroso estava internado no Hospital Pedro Ernesto e seu corpo foi velado na capela do São João Baptista, onde foi enterrado às 17h de hoje.

Nascido em Campos, filho de um saxofonista, Benedito Gomes Barroso, Barrosinho começou a estudar trompete aos 6 anos e, no início dos 1960, já no Rio, passou pelas orquestras de baile e gafieira de Severino Araújo, Maestro Cipó e Paulo Moura. Em seguida, trabalhou em grupos de, entre outros, Raul de Souza, Sivuca, Robertinho Silva, Oberdan Magalhães e Hermeto Pascoal.

Também com Oberdan, fez parte do Grupo Abolição, criado pelo pianista Dom Salvador, antes deste trocar o Rio por Nova York no início dos anos 1970. Do Abolição nasceria a Banda Black Rio, pioneira na fusão de samba de gafieira, jazz, funk. Barrosinho ainda tocou e gravou com Tim Maia, Maysa, Gilverto Gil, Raul Seixas e outros.

Em sua carreira solo, Barrosinho lançou quatro belos álbuns, a partir de 1988, com “Maracatamba” com músicas compostas no gênero que inventou, misturando maracatu com samba. No século XXI vieram, pelo selo Kalimba, do empresário e amigo Roberto Moura, “O sopro do espírito” (2001), “Barrosinho live em Montreaux – 1988″ (2002) e “Praça dos Músicos” (2008).

Antonio Carlos Miguel

Tags: ,
Postado em Memória, Musica

Anúncios

Arquivado em:Allgemeines

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: